Exposição Enciclopédia Negra

Parte do projeto Enciclopédia Negra, com livro publicado pela editora Companhia das Letras e organizado por Lilia M. Schwarcz, Flávio Gomes e Jaime Lauriano, a exposição inaugurada pela Pinacoteca do Estado de São Paulo destaca personalidades negras que não foram representadas pela história hegemônica do Brasil.

Black Encyclopedia Exhibition

Part of the Enciclopédia Negra project, with a book published by Companhia das Letras and organized by Lilia M. Schwarcz, Flávio Gomes and Jaime Lauriano, the exhibition inaugurated by the Pinacoteca de São Paulo highlights black personalities who were not represented by the hegemonic history of Brazil.


A Pinacoteca do Estado de São Paulo, uma das mais reconhecidas instituições de arte do Brasil, inaugurou no dia 1º de maio a exposição Enciclopédia Negra, derivada do livro homônimo organizado pelos pesquisadores Lilia M. Schwarcz e Flávio dos Santos Gomes e pelo artista Jaime Lauriano. A curadoria da mostra foi organizada pela equipe do projeto Enciclopédia Negra e pela equipe da Pinacoteca de São Paulo.

O livro apresenta a biografia de mais de 500 personalidades negras que foram apagadas da história do Brasil, divididas em centenas de verbetes individuais e coletivos. A mostra então convida 36 artistas da cena contemporânea para dar cor, corpo e voz a essas biografias apagadas pela história.

A artista Panmela Castro (@panmelacastro), fundadora da Rede Nami (@redenami) e representada atualmente pela Galeria Luisa Strina, participa da exposição com 5 obras: Catarina Cassange (presente no livro), Lourença Correia, Mathias Henrique da Silva e Faustino da Silva Paiva, Felipa Maria Aranha e Ana, Deolinda e Isabel, capoeiristas.

“Ana, Deolinda e Isabel, capoeiristas”, acrílica sobre tela, 50 x 70 cm, 2020. Foto: Acervo Pinacoteca.
“Ana, Deolinda and Isabel, capoeiristas”, acrylic on canvas, 20 x 28 in, 2020. Image: Acervo Pinacoteca.

As histórias contadas através das pinturas de Panmela retratam escravizados que criaram um clube de leitura no pleno fervor da abolição, sobre mulheres capoeiristas, líderes quilombolas, revolucionárias e desafiantes das imposições binárias de gênero. Através desses questionamentos, a artista identifica nessas biografias vivências que fazem parte não só de sua trajetória, mas também de tantas outras que desafiam o racismo e o machismo cotidianamente no Brasil.

A exposição permanece na Pinacoteca até o dia 8 de novembro, com ingressos gratuitos, e após esse período todas as obras passam a integrar o acervo permanente da instituição. O livro Enciclopédia Negra pode ser encontrado no site da editora Companhia das Letras, que entrega para todo o Brasil.

“Mathias Henrique da Silva e Faustino Da Silva”, acrílico sobre tela, 70 x 50 cm, 2020. Foto: Acervo Pinacoteca
“Mathias Henrique and Faustino Da Silva Paiva”, acrylic on canvas, 28 x 20 in, 2020. Image: Acervo Pinacoteca
“Catarina Cassange”, óleo sobre tela, 70 x 50 cm, 2020. Foto: Acervo Pinacoteca
“Catarina Cassange”, oil on canvas, 28 x 20 in, 2020. Image: Acervo Pinacoteca

EN

The Pinacoteca de São Paulo, one of the most recognized art institutions in Brazil, inaugurated on May 1st the exhibition Enciclopédia Negra, derived from the homonymous book organized by Lilia M. Schwarcz, Flávio dos Santos Gomes and Jaime Lauriano. The exhibition’s curatorship was organized by the Enciclopédia Negra project team and by the Pinacoteca de São Paulo team.

The book presents the biography of more than 500 black personalities that were erased from the history of Brazil, divided into hundreds of individual and collective entries. The exhibition then invites 36 artists from the brazilian contemporary art scene to give color, body and voice to these forgotten biographies.

The artist Panmela Castro (@panmelacastro), founder of Rede Nami (@redenami) and currently represented by Galeria Luisa Strina, participates in the exhibition with 5 works: Catarina Cassange (present in the book), Lourença Correia, Mathias Henrique da Silva and Faustino da Silva Paiva, Felipa Maria Aranha and Ana, Deolinda and Isabel, capoeiristas.

“Lourença Correia”, acrílica sobre tela, 70 x 50 cm, 2020. Foto: Acervo Pinacoteca
“Lourença Correia”, acrylic on canvas, 28 x 20 in, 2020. Image: Acervo Pinacoteca
“Felipa Maria Aranha”, acrílica sobre tela, 70 x 50 cm, 2020. Foto: Acervo Pinacoteca
“Felipa Maria Aranha”, acrylic on canvas, 28 x 20 in, 2020. Image: Acervo Pinacoteca

The stories told through Panmela’s paintings portray enslaved people who created a reading club in the full fervor of abolition, about capoeirista women, quilombola leaders, revolutionaries and challengers of the binary impositions of gender. Through these questions, the artist identifies in these biographies experiences that are part not only of her path, but also of many others that challenge racism and misogyny on a daily basis in Brazil.

The exhibition remains at the Pinacoteca until the 8th of November, with free tickets, and after this period all the works will be part of the permanent collection of the institution. The book Enciclopédia Negra can be found on the website of the Companhia das Letras publishing house, which it delivers throughout Brazil.

Imagem de Capa: Livraria Baleia | Cover image: Livraria Baleia

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s