Poema para o príncipe

Eu quero um príncipe que seja muito mais do que um pensamento morno sobre coisas as quais eu já sei.

Eu quero um príncipe desobediente que ponha em risco a senhora que sou em um tipo de surto desorganizado de minhas pequenas coisinhas.

Eu quero um príncipe que me deixe descobrir que a vida nunca foi o que me disseram viver.

Eu quero um príncipe que me dirija à um mundo de epifania e momentos de catarse que definitivamente mudem quem eu sou.

Um príncipe que mude meu juízo de valor.

O meu príncipe é amarelo como um sol que me faz girar ao redor e me sufoca as palavras, só restando a única que sei dizer: tão lindo. Sensacional.

Eis um poema triste de amor.

PK: Um Filme de Amor

Como grande fã de filmes de ficção ciêntifica, vasculhei no Netflix algo de legal para ver, escolhendo de forma aleatória e sortuda PK. Em seus textos online, pensa-se como uma crítica ao Hinduísmo, mas eu o vejo como um filme de amor daqueles que nos acabamos de chorar ao final.

PK toca lá no fundo da nossa estrutura social, onde a guerra e o ódio é efeito colateral dessa nossa forma de se organizar, onde instituições como a igreja fortalecem esse “engano”. PK fala de amor e sinceridade, que em nossa civilização são duas palavras difíceis de se andar junto, e sua mentira ao final, é o que sentencia a questão.